Brás Cubas e o Humanismo de Machado de Assis

July 15, 2020

 

 

O romance “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, escrito em 1882 por Machado de Assis já começa de forma chocante: “Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico como saudosa lembrança estas memórias póstumas.” Polêmica para sua época, a obra é um marco na literatura nacional tanto pelo estilo narrativo inovador, como também pela narrativa marcada pela ironia e sarcasmo. Não à toa, Memórias Póstumas de Brás Cubas é considerado por muitos estudiosos como o livro que inicia o movimento do realismo literário no Brasil. Entretanto, não podemos falar sobre uma obra sem antes conhecer um pouco melhor o seu autor. 

 

Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro e teve uma origem humilde. Perdeu sua mãe muito cedo e, alguns anos depois, quando tinha somente 12 anos, seu pai também veio a falecer. Por isso, sendo negro e pobre, começou a trabalhar vendendo balas e doces, para poder ajudar em casa. Não conseguiu ter muito acesso à educação formal, tendo cursado apenas alguns anos em uma escola pública. Porém, apesar de todas essas dificuldades, o seu Amor pela literatura e pelas línguas estrangeiras sempre o manteve ligado aos estudos. 

 

 

Nunca frequentou uma universidade, porém nunca lhe faltou sede de aprender. Ele alimentava a sua intelectualidade de outras formas, estudava sozinho, buscava emprego em redações de jornal, para aprender com os mais experientes e fez amizade com vários escritores famosos da época. Por isso nunca ficou abaixo dos doutores diplomados do seu tempo, tanto é que foi fundador e primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras, a maior instituição literária do Brasil. 

 

Também conseguiu produzir, ao longo de sua Vida, trabalhos em todos os gêneros literários, o que demonstra sua versatilidade como escritor. Seus romances foram traduzidos para diversas línguas, tornando-o, para alguns, o escritor negro mais lido de todos os tempos. Recentemente, “Memórias póstumas de Brás Cubas” ganhou uma nova edição nos EUA e, para a surpresa de todos, em menos de um dia, todos os exemplares foram vendidos. Mas o que torna a obra de Machado de Assis tão especial?

 

Um dos principais pontos do livro está na maneira inovadora de contar a história: o narrador, e principal personagem da obra, já está morto desde o início. Ele então contará ao leitor a sua Vida, e por já ter morrido, não precisa preocupar-se em agradar ou medir as suas palavras. Esse ponto permite uma narrativa cheia de sinceridade, sarcasmos e ironias do narrador com os outros personagens. Como o próprio Brás Cubas destaca, depois de morto, não havia necessidade de agradar mais ninguém. Outro ponto que chamou a atenção na época (e até hoje é utilizado em diversos livros, filmes e séries) é que a narrativa não é linear: o livro já começa do fim, com o enterro do protagonista. O que hoje é muito comum, na época foi considerado uma quebra de paradigma na literatura do século XIX. Esse recurso, de começar a história do meio (ou do fim) e a partir desse ponto voltar ao início, é chamado de digressão.

 

 

 

 

Para além dos detalhes literários, o brilhantismo de Machado de Assis se apresenta em seu conteúdo. Sua narrativa busca expor a falsidade e a hipocrisia dentro da sociedade brasileira do século XIX. A obra “Brás Cubas” mostra de forma aberta os vícios da sociedade, as relações por interesse, a luta desmedida por alcançar um status, as falsas amizades e os amores que não sobrevivem sem o dinheiro. Por causa dessa série de assuntos, tratados também em outras obras, Machado de Assis foi considerado um pessimista pelos seus contemporâneos. Entretanto, ao observarmos atentamente seus escritos, perceberemos o Valor Humano que Machado de Assis impunha com sua Moral Humanística, que fazia uma contraposição dentro das narrativas.

 

O que Machado de Assis buscou retratar, e isso o faz muito bem em Memórias Póstumas, foi a realidade social que o cercava, que cada vez mais se distanciava dos Valores Humanos defendidos pela filosofia clássica. Em “O Alienista”, o autor expõe uma crítica muito bem humorada ao cientificismo, uma mentalidade que dá primazia à ciência sobre todas as outras formas de compreender o mundo. O protagonista da obra, Dr. Simão Bacamarte, é um médico que dedica toda a sua vida à ciência e aos estudos sobre a psiquiatria. Ao começar a analisar as pessoas da pequena vila de Itaguaí, acaba por internar praticamente todos no manicômio que ele mesmo havia construído. Por fim, chega-se à conclusão de que o insano era o próprio Dr. Simão, pois vivia alienado no conhecimento teórico dos livros e pesquisas, e era incapaz de compreender os Seres Humanos na Vida real.

 

Em outra de suas famosas obras, “Quincas Borba”,  Machado expõe uma outra mentalidade presente na sociedade de sua época. O protagonista, Quincas Borba, é o criador de uma controversa filosofia chamada de “Humanitismo”. Esta filosofia moral refere-se, em síntese, à lei do mais forte. “Ao vencedor, as batatas”, é a famosa expressão imortalizada no texto do escritor. Entretanto, percebe-se mais uma vez, que utilizando-se da ironia e da sátira, Machado de Assis expõe a falta de Valores Humanos dentro da relação em que o mais forte vai dominar o mais fraco. Não à toa, o personagem Quincas Borba é tido como louco ao longo de sua narrativa, para evidenciar a discrepância entre tal sistema de Valores e um Verdadeiro Humanismo.

 

 

 

 

Por tamanha profundidade em suas publicações, Machado de Assis é reconhecido como um imortal da Academia Brasileira de Letras e um gênio da literatura. Suas obras não fixam apenas em um tempo e um espaço determinado, como uma fotografia de um tempo que já passou, mas discute e apresenta, de maneira divertida muitas vezes, a realidade ainda existente em nossos dias. Infelizmente, em nosso país, são poucos os que debruçam-se sobre as obras de Machado de Assis e seus personagens, pois dedicamos muito pouco tempo à literatura nacional, ou talvez à literatura como um todo. 

 

Que possamos, então, redescobrir os clássicos, tanto os estrangeiros como os que estão aqui, próximos de nós, e aprender com eles sobre os Valores que desejamos cultivar, fazendo da Arte uma ponte entre as ideias e a nossa Vida.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

DIFICULDADE COM AS LEGENDAS?

Caso você não saiba ativar as legendas nos vídeos do youtube, clique aqui para acessar o tutorial.

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Procurar por Tags
Histórico de publicações
Please reload

Please reload

Siga essa Idéia

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Você também vai gostar
Please reload

© 2017 por "Equipe Feedobem". Orgulhosamente criado pela Feedobem

    Gostou do nosso portal? Nos ajude a elaborar artigos e

conteúdos cada vez melhores para vocês. ;-)