Saber Envelhecer Segundo Cícero

July 14, 2020

A velhice é comumente vista como uma etapa da Vida que não nos agrada. Seja pelo nosso corpo físico começar a apresentar debilidades, ou pela proximidade com a morte, é fato que, para a maior parte das pessoas, a velhice não é agradável. Existe até um termo médico para quem tem medo da velhice: a gerontofobia. Mas será que a velhice traz apenas problemas e dificuldades, ou será que somos nós que não sabemos lidar com essa etapa da Vida?

 

Marco Túlio Cícero, conhecido como o maior orador da Roma Antiga, se debruçou sobre esse tema, pois a maioria dos romanos, assim como nós, não acreditavam que a velhice pudesse ter seus prazeres. É interessante perceber que essa questão não é exclusiva do nosso tempo, sendo o problema da velhice, antes de tudo, um problema Humano, o problema de saber lidar com sua mortalidade. 

 

Cícero nos brinda primeiramente com uma ideia que pode parecer óbvia, mas que raramente paramos para refletir: a velhice é uma necessidade da Natureza, pois tudo que é vivo, morre. Pense em um fruto: ele nasce, amadurece, dá seu suco e então apodrece. É necessário fechar ciclos, e a Natureza sabe disso. Logo, a velhice é algo natural, pois existe para que o ciclo da Vida Humana se encaminhe para seu fechamento. Aceitar esse fato é um primeiro passo para aprendermos a lidar com a Vida quando estivermos com uma idade avançada. 

 

Um outro ponto importante que devemos compreender sobre a velhice é que ela em si não é um problema. Se o problema fosse o tornar-se velho, então todos os velhos reclamariam disso. Mas, de fato, há pessoas que não veem na velhice uma maldição. Ao contrário, existem pessoas que a consideram a melhor etapa da vida, a qual é repleta de constatações e sínteses, presentes que carregarão até o último suspiro de suas vidas. Logo, o problema está em como encaramos e vivenciamos a velhice. Colocamos a culpa em nossa idade quando não conseguimos mais realizar as atividades que outrora nos davam prazer: não conseguimos correr tão rápido quanto antes, nem ter a mesma disposição de quando estávamos no auge da juventude, e para quem passou a vida a dedicar-se apenas a esses prazeres, certamente observar a decadência de suas habilidades físicas será uma tortura. Como não se frustrar frente a essa inevitável debilidade? 

 

 

Cícero nos traz uma chave interessante sobre como envelhecer bem: a prática das Virtudes, a Vida interior. Quando a vida externa não mais atender às nossas necessidades, quando não pudermos mais viver pelos prazeres sensoriais, quando a Vida exigir, nessa etapa, que tenhamos Força e Virtude, lá ela estará presente, se assim a cultivarmos. Só envelhece bem quem viveu bem a juventude. A prática das Virtudes deve ser um norte, uma referência desde cedo, para que o cultivo dessa maneira de Vida possa florescer quando nosso corpo começar a não mais ser eficiente como antes. E como efetivamente isso pode nos auxiliar a encararmos bem a velhice?

 

Quando questionado sobre como a Virtude se expressaria e ajudaria a combater as debilidades ocorridas na velhice, Cícero nos apresenta diversos argumentos. O primeiro deles se refere a um pensamento errado, porém muito popular até os dias de hoje, a ideia de que a velhice nos afasta da vida ativa. Quantas vezes já não pensamos que ao nos aposentarmos não precisaremos mais fazer nada? Que a velhice é a causa de nossa inércia e que não atuamos por já estarmos velhos? Cícero mostra que apesar de não ter mais o vigor físico da juventude, na velhice podemos aportar com a experiência, com conselhos, e ajudar os mais novos a desenvolverem melhor suas atividades. O papel da velhice, nesse caso, é o de coordenar e aconselhar os jovens. Essa capacidade de dirigir, de mostrar uma visão mais sábia, pode ser feita (e é extremamente necessária) dentro da vida pública, portanto, os velhos têm um grande papel na vida ativa, seja a nível individual ou coletivo.

 

Outro ponto fortemente comentado a despeito da velhice é que ela tira os prazeres sensoriais, os prazeres instintivos, que são despertos na adolescência e florescem na juventude. Quanto a isso, Cícero aponta que essa privação dos prazeres é, na verdade, uma das grandes dádivas da velhice. Apesar de parecer polêmico, o que Cícero sugere é que com a cessação dos prazeres sensoriais (aqueles advindos dos cinco sentidos), o Homem pode mais facilmente perceber os prazeres inteligíveis, aqueles que só podem ser acessados a partir da razão e que estão vinculados às Virtudes. Quando jovem, segundo Cícero, o Homem persegue seus instintos e pode facilmente vender seus princípios, trair a pátria e seus companheiros, pois nele a força do querer realizar o seu desejo é um imperativo. Afinal, onde reina a vulgaridade, obviamente não há lugar para a Temperança. E onde o prazer triunfa, a Virtude não pode sobreviver. A quem se deixa dominar por tais desejos, a velhice será uma etapa dura da Vida, pois sua única fonte de prazer irá secar. E mais uma vez, Cícero nos convence que a prática das Virtudes é o melhor caminho para envelhecermos bem, pois elas não nos abandonarão até o fim de nossas vidas.

 

 

 

E sobre o fim, Cícero apresenta as razões pela qual não devemos achar ruim que a velhice nos aproxime da morte. A morte é natural, então que a aceitemos. Portanto, não devemos desejar mais tempo do que nos foi dado, e sim aproveitar as oportunidades diárias para fazermos valer nossa experiência e desenvolvermos as Virtudes. Do que adiantaria termos mais 10, 20 ou 30 anos se não aprendemos nada com as experiências?

 

Por fim, Cícero conclui que a maneira mais Bela de morrer é com a Inteligência intacta e os sentidos despertos, deixando a Natureza desfazer lentamente o que ela fez. Aquele que construiu um barco ou erigiu um prédio, é o mais indicado para destruí-lo. Assim também como foi a Natureza que criou o Homem, é melhor que ela decida como desagregá-lo. Não devemos, enfim, temermos a morte e muito menos desejar uma Vida demasiadamente longa. Lembremos da frase de Epíteto, o filósofo estoico: “Há coisas que dependem de mim e coisas que não dependem”.

 

Vamos nos concentrar no Agora, no Presente, desenvolver nossas Virtudes e Cultivar uma Vida Interior. Dessa forma, quando estivermos próximos do fim, poderemos olhar para trás e sorrir, pois ao longo da jornada plantamos Belas sementes, fomos exemplo para os demais e fomos dignos da Vida que vivemos.
 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

DIFICULDADE COM AS LEGENDAS?

Caso você não saiba ativar as legendas nos vídeos do youtube, clique aqui para acessar o tutorial.

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Procurar por Tags
Histórico de publicações
Please reload

Please reload

Siga essa Idéia

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Você também vai gostar
Please reload

© 2017 por "Equipe Feedobem". Orgulhosamente criado pela Feedobem

    Gostou do nosso portal? Nos ajude a elaborar artigos e

conteúdos cada vez melhores para vocês. ;-)