O Mito de Perséfone e Hades

June 3, 2020

 

Perséfone, ou Kore, é uma Deusa filha de Zeus, o Deus dos Deuses na Mitologia Grega, e Deméter, Deusa da agricultura e das estações. Esta residia no Olimpo junto aos seus pais, até que em um belo dia, a Deusa andava pelos campos Elísios, um local Sagrado ao qual apenas Deuses poderiam frequentar, quando Hades, o senhor do submundo, a viu e apaixonou-se perdidamente. Hades rapidamente tentou seduzi-la, porém ela não o quis. Sendo rejeitado, Hades decide raptá-la e a leva para o seu palácio no mundo dos mortos. 

 

Com a demora no retorno da filha ao Olimpo, Deméter sai à sua procura. Após não obter nenhum vestígio sobre seu paradeiro, a Deusa da agricultura cai em uma profunda tristeza e todas as plantas e colheitas do mundo começam a morrer. O Deus Hélios, conhecido como o Deus do Sol, percebe a tristeza que caíra sobre Deméter e a ajuda, dizendo que Perséfone havia sido raptada por Hades e levada ao submundo. Deméter então vai até Zeus e roga para que ele obrigue Hades a devolver a sua filha. Vendo a situação, Zeus manda Hermes, o Deus mensageiro, até o reino de Hades para convencê-lo a devolver sua filha. 

 

 

 

Enquanto estava sob tutela de Hades, Perséfone resiste por muito tempo, se recusando a aceitar qualquer comida ou bebida que lhe era oferecida, porém num determinado momento ela come uma pequena semente de romã. Quando finalmente Hades permite que a jovem Deusa reencontre sua mãe, Deméter percebe que sua filha está diferente: ela havia provado de um alimento do submundo, logo, uma parte dela pertenceria para sempre no Hades. Sendo assim, Perséfone torna-se a esposa do senhor do mundo dos mortos, porém, em acordo com Zeus, Hades a deixa viver metade do ano na Terra e a outra metade no seu reino. 

 

Sendo assim, conta o Mito que a vinda de Perséfone para a Terra marca a primavera, quando as flores desabrocham, como a felicidade de Deméter por rever sua amada filha. Do mesmo modo, quando passam-se os seis meses e Perséfone deve retornar ao seu marido, as folhas começam a secar, devido a tristeza de sua mãe, marcando a estação do inverno.

 

 

Para além do simbolismo com as estações do ano, o Mito de Perséfone nos remete a outras ideias igualmente interessantes. Uma delas mostra essa intrínseca relação de vida e morte que é simbolizada pela Deusa: ora habita a Terra, e é filha de Deméter, ora é a esposa de Hades e está conectada com o mundo dos mortos. Por vezes, essa relação torna-se difícil para nós, pois não gostamos de pensar na morte. Entretanto, onde existe vida, naturalmente haverá morte. São as faces de uma mesma moeda, inseparáveis.

 

Apesar de não gostarmos de lidar com a morte, podemos tê-la como um aspecto da vida, que tal como as estações do ano, tem o seu desabrochar, esplendor, maturidade e, por fim, recolhimento, até que mais uma vez renasça e desabroche. E podemos nos aprofundar ainda mais neste simbolismo, entendendo que não é só no campo físico que este ciclo acontece. Precisamos entender que em nossa psique é comum passamos por todas as estações, desde a alegre primavera até o introspectivo inverno. 

Em alguns momentos de nossa vida, ficamos super contentes, parece que tudo está brilhando e até as plantas parecem sorrir para a gente. Porém, essa alegria cedo ou tarde vai embora, e entramos num período mais melancólico, sem muito interesse em espalhar sorrisos como estávamos antes. Geralmente, nesses momentos de “inverno”, nos sentimos mal, ficamos incomodados e não aceitamos nossas próprias emoções, pois imaginamos que deveríamos viver para sempre naquele estado emocional primaveril. 

 

 

Esta é uma ideia tão simples, porém sofremos muito por a ignorarmos. Precisamos entender que, assim como Perséfone, existe algo de divino dentro de nós que nunca morre, que podemos entender como sendo a própria Vida. Em alguns momentos, ela está muito evidente e todos podem ver em nossas ações e em nossos sorrisos. Porém, em outros momentos, ela se recolhe, mas não quer dizer que morreu, só quer dizer que entramos num momento de Vida Interior. Talvez não seja o momento mais propício para as grandes gargalhadas, mas é o momento para as grandes reflexões.

 

No fim, podemos perceber a ciclicidade da vida no Mito de Perséfone e aprendermos a lidar melhor com essa dualidade, uma entre tantas que nos cercam. E sempre lembrar que a primavera uma hora termina, mas também que não existe inverno que dure para sempre. Perceba como o Mito acontece dentro de você, e terá uma experiência muito mais tranquila e engrandecedora.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

DIFICULDADE COM AS LEGENDAS?

Caso você não saiba ativar as legendas nos vídeos do youtube, clique aqui para acessar o tutorial.

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Procurar por Tags
Histórico de publicações
Please reload

Please reload

Siga essa Idéia

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Você também vai gostar
Please reload

© 2017 por "Equipe Feedobem". Orgulhosamente criado pela Feedobem

    Gostou do nosso portal? Nos ajude a elaborar artigos e

conteúdos cada vez melhores para vocês. ;-)