O Mito do Dilúvio

May 19, 2020

 

 

Você sabia que a história da arca de Noé não está apenas na Bíblia? A mesma história é contada por diversas culturas: mesopotâmica, babilônica, hindu, grega, islâmica e muitas outras. Todos os relatos sempre giram em torno de três coisas basicamente: a destruição de uma civilização com água, ordenada por uma ou várias divindades; um homem que constrói uma arca ou um navio para garantir a perpetuidade dos seres e um novo recomeço.

Por que isso se repete em tantas culturas? Os astecas, por exemplo, que viveram na atual região do México e deixaram uma mitologia riquíssima, com inumeráveis símbolos sagrados, falavam de um dilúvio ordenado por uma deusa chamada Chalchiuhtlicue. A maioria das civilizações conhecidas apresentará algum relato com o mesmo desfecho e a mesma estrutura mítica.

 

 

Como nós ocidentais temos um espírito muito científico, costumamos nos aproximar desses relatos buscando evidências concretas. Há quem relacione com um aumento do nível do mar depois da era do gelo, há quem acredite que alguma espécie de meteoro gigante caiu no oceano há milhares de anos, gerando uma espécie de inundação de grandes proporções, destruindo as civilizações costeiras. E as evidências vão se multiplicando, erupções vulcânicas no fundo dos oceanos, descobertas de conchas e fósseis de peixes com milhares de anos de existência, descobertas de restos de arcas antigas em cima de montanhas, etc.

Talvez estejamos fazendo as perguntas erradas em torno desses relatos. Talvez a riqueza dessas histórias não esteja nas evidências materiais da ocorrência ou não do fato. Talvez precisemos descobrir o que está nas entrelinhas desse tesouro mítico que herdamos de tantas civilizações. É como entender um sonho para chegar a seus significados. O que se faz com um sonho? Tenta provar se era real ou não? Ou é mais produtivo entendê-lo como uma expressão do inconsciente? Será que essa história da arca de Noé, tão repetida em tantas culturas, não seria uma espécie de sonho da humanidade, que guarda profundas verdades inconscientes? Se assim o for, o melhor é fazer com a história da arca de Noé o que fazemos com os nossos sonhos. Não cogitamos sobre a possibilidade de terem sido reais ou não, aceitamos como sonho e tentamos entender o porquê dele. Por que esse sonho se estrutura assim? Não devemos buscar nessas narrativas a mesma lógica que buscamos na descrição de um fato, devemos buscar na estrutura desses relatos algo que tem a ver com o inconsciente coletivo. Um sonho pode parecer uma história sem nexo, fantasiosa e às vezes absurda, mas os estudos na área da psicologia de Freud e de Jung apontam para a riqueza dessas construções, consideradas como reveladoras de aspectos inconscientes, que todos nós temos e que repercutem significativamente em nossa existência o tempo todo.

 

 

Considerando a narrativa do Gênesis, que é o relato mais próximo que temos de nossa cultura, observamos que a história se estrutura perceptivelmente em cinco momentos. No primeiro momento, homens e deuses partilham a vida, multiplicam-se entre si, ou seja, há algo divino interpenetrado no humano, mas essa fase entra em um processo de degeneração. Uma decadência moral antecede o cataclisma, esse é o segundo momento da narrativa, marcado pela corrupção generalizada, por um abismo entre homens e deuses, e essa fissura se traduz em imoralidades É como se os deuses estivessem associados às leis morais, e não pudessem estar presentes onde existe a vulgaridade e a injustiça. No terceiro momento, surge Noé, como um tipo de homem que constrói uma arca a fim de preservar a semente de uma nova humanidade. O quarto momento é o clímax da história, o cataclisma, a inundação inevitável, destruidora de todo o sistema ambiental e humano, como uma espécie de purificação geral de tudo. Em uma imagem mais simplista, seria como alguém que está escrevendo uma história e, em dado momento, vê que não está indo bem, então resolve deletar tudo e jogar na lixeira para iniciar novamente. O quinto momento é o novo começo, o pós-dilúvio, que só será possível graças àquilo que foi preservado por Noé.

Por mais fantasiosa e deslocada dos limites da realidade que essa narrativa possa parecer, os pontos principais da história, curiosamente, estão muito presentes em nossa existência o tempo todo. A ideia de corrupção generalizada é algo muito próximo da nossa realidade cotidiana, a ideia de cataclisma, de destruição planetária é outra coisa que nos ronda o tempo todo. Seja a partir das questões relacionadas à mudança climática, seja pela corrida bélica em torno de armas nucleares, seja pelo surgimento de pandemias mundiais, a destruição da humanidade não é algo tão improvável. O sonho de um novo mundo, de uma nova ordem planetária é outro aspecto com o qual convivemos o tempo todo.

 

 

Com isso, podemos afirmar seguramente que por trás da história da arca de Noé há indícios de aspectos inconscientes da humanidade. E o fato de estar repetida em tantas culturas, no mínimo nos sinaliza que há uma busca do homem por compreender esses aspectos. As culturas estão nos dizendo que a transgressão às leis morais está correlacionada diretamente à destruição de toda a humanidade.

Seria precipitado, fantasioso e até desonesto construir um prognóstico do tipo “a humanidade será destruída por estar transgredindo as leis morais”. Entretanto, não podemos ignorar a mensagem que todas essas culturas estão nos passando. Inevitavelmente, esses relatos associam a corrupção à destruição da humanidade, não temos como interpretar de outro jeito. Corrupção e destruição estão ligadas como causa e consequência nessas narrativas, assim como um novo recomeço está ligado à preservação de algo essencial que precisa sobreviver à destruição. Se estamos vivendo hoje um desmoronamento civilizatório, devemos com urgência construir uma arca no sentido alegórico para guardar, preservar valores, sem os quais não teremos um recomeço, isso é o que está, em alguma medida, por trás da história do Dilúvio, e se você refletiu sobre essa questão, e concorda com essas ideias, a responsabilidade de construir esta “arca” também é sua.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

DIFICULDADE COM AS LEGENDAS?

Caso você não saiba ativar as legendas nos vídeos do youtube, clique aqui para acessar o tutorial.

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Procurar por Tags
Histórico de publicações
Please reload

Please reload

Siga essa Idéia

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Você também vai gostar
Please reload

© 2017 por "Equipe Feedobem". Orgulhosamente criado pela Feedobem

    Gostou do nosso portal? Nos ajude a elaborar artigos e

conteúdos cada vez melhores para vocês. ;-)