Os Dois Papas

April 1, 2020

 

 

 

 

“A verdade é vital, mas sem amor se torna insuportável”. É o que diz o cardeal arcebispo Jorge Bergoglio, futuro Papa Francisco, ao então pontífice Bento XVI, e que se torna uma fala muito importante para explicar pelo menos um dos muitos aspectos de “Dois Papas”, filme do brasileiro Fernando Meirelles, disponível na Netflix.

 

O filme trata, em primeiro plano, do relacionamento dos dois padres e sua particular relação com a morte de João Paulo II, quando a igreja enfrenta uma discussão com a sociedade sobre a necessidade de mudanças em seus dogmas, estando diante da urgência da escolha de um novo Papa. 

 

 

 

Através da contraposição entre a postura do conservador europeu, Joseph Ratzinger (Bento XVI), vivido pelo ator de “silêncio dos inocentes”, Anthony Hopkins, e do carismático sul americano, Jorge Bergoglio (Francisco), interpretado por Jonathan Pryce, o filme argumenta sobre o verdadeiro sentido da fé cristã. Enfrentando escândalos de pedofilia e de corrupção dentro do vaticano naquele momento, a escolha do padre alemão pelo conclave de cardeais, eleva o sentimento de insatisfação entre a sociedade, que vê ali um retrocesso, uma vez que era esperado que um novo papa como Ratzinger não levasse adiante a tão pedida reforma no posicionamento da igreja em relação a temas atuais, como o uso de métodos contraceptivos, homossexualidade, e, principalmente, maior transparência nos casos de abuso sexual, levando os acusados a julgamento.

 

A narrativa, em parte real, e em parte imaginada pelo diretor, traz um conflito em especial, tão ou mais impactante que os tantos que recheiam o filme, quando sugere que até o sumo pontífice pode questionar seu próprio contato com Deus, e seu entendimento mais profundo dos ensinamentos diretos do próprio Cristo. O personagem Ratzinger revela ter tomado decisões controversas ao longo de suas responsabilidades que, como autoridade máxima da igreja católica, poderiam pôr em risco não somente a credibilidade do Vaticano como instituição milenar, mas a própria presunção de moralidade da Igreja.

 

 

 

Ao longo dos muitos séculos em que a cadeira de São Pedro foi ocupada por seus mais diversos sucessores, a tradição católica pôs ao mundo o Papa como sendo uma santidade maior entre os homens, a mais legítima conexão do humano com o divino, não apenas administrador da face material de Deus, mas, seu interlocutor espiritual soberano. Embora a sociedade contemporânea tenha uma visão mais humanista do pontífice, não é assim que a Igreja pretende que ele seja visto.

 

A culpa que Bento XVI carrega por suas decisões, se torna um fardo grande demais para um homem de fé carregar solitário, como ele afirma sentir-se, e seu desejo irresoluto de renunciar ao papado contradiz o que se espera do escolhido para essa função: lisura moral, e alma repleta de amor pela humanidade até o fim de sua vida. Assim como Bergoglio o disse quando soube de sua vontade, “um papa morre, jamais renúncia”, Bento XVI custou para encontrar uma brecha nas interpretações canônicas para justificar não apenas à sociedade, mas, à si mesmo, e talvez à Deus, seu retiro definitivo que veio a se concretizar posteriormente. 

 

 

 

Fernando Meirelles nos conta ainda sobre a verdadeira vocação, um chamado que nem sempre estamos prontos para ouvir, ou mesmo temos fé o suficiente para reconhecer quando o recebemos. A história fala que o jovem Bergoglio duvidava sobre sua mais verdadeira missão na Terra, pois ansiava por toda a vida ser padre, no entanto, amava grandemente uma moça, que sem saber, alimentou dentro dele um dilema inescusável: a carne, ou o pão?. No dia em que iria propô-la em casamento, à caminho do parque onde iria encontrá-la, ouviu de forma muito clara para si, a voz de Deus, dizendo-lhe que poderia escolher compartilhar seu amor com sua noiva, ou com toda a humanidade. “Dois Papas” nos faz então questionar não apenas se somos dignos de um chamado divino, mas se somos fiéis o suficiente naquilo que acreditamos para perceber quando essa vocação nos atrai em nossas vidas, quando ela surge nos mínimos detalhes do dia a dia.

 

 

 

Se damos ouvidos ao burburinho confuso e desnorteado que atordoam nossos desejos mais mundanos, vivendo uma vida que persegue prazer ao invés de dignidade, recompensa sem o devido merecimento e conquista sem esforço, como podemos ouvir a voz do silêncio, que habita dentro de nós? Esta que é como uma luz divina que ilumina o caminho do ideal, e que nos incita a viver a vida moral e filosófica da qual fomos incumbidos de viver, e através dela povoar a Terra com tudo que há de bom, e preveni-la do que há de mau. 

 

Como mostra a confissão de Ratzinger no filme, nunca é tarde para voltar-se ao seu centro, ao seu verdadeiro significado de vida, ao serviço do homem à humanidade, e buscar a redenção. O futuro papa Francisco, o ensina que o pecado não é uma mancha que, por mais que se lave, não abandona o tecido por completo. Se parece mais com uma ferida que dói profundamente, mas pode ser curada

 

Ratzinger ouve Bergoglio falar sobre como lhe soa a voz de Deus, do mesmo jeito que um garoto que adora olhar para estrelas ouve um viajante do espaço falar sobre suas aventuras pela galáxia. Depois de se permitir guiar-se por tantos chamados falsos que o desviaram de seu caminho divino, vindos de tantas oportunidades maliciosas e traiçoeiras, Papa Bento reconhece no cardeal argentino, a verdadeira vocação pontifícia, capaz de resgatar a Igreja e os cristãos de volta à luz e à voz do Senhor.

 

 

 

Nossa redenção não vem de ter uma vida completamente livre de erros, mas, vem através da aceitação da nossa condição humana, de nossas falhas, limitações, deveres, e nossa boa vontade em resgatar nossa alma para o caminho do amor e união, servindo aos homens, ao invés de querer ser servido por eles. Assim, como fala Papa Francisco no filme, Deus se move, Ele muda, a Igreja deve mudar, nós devemos mudar. 

 

Diante do questionamento de Bento XVI: “Se Deus realmente se move, como seria possível para nós encontrá-lo?”, Francisco o responde de maneira simples: “O encontraremos durante o caminho”.

 

Além de uma excelente direção e atuações brilhantes, o filme deixa para nós este lindo ensinamento: Independente de nossas crenças, de nossos posicionamentos políticos e de nossas opiniões, sempre é possível admirar outro ser humano construir e uma verdadeira amizade. Esta é uma ideia que vale a pena viver.

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

DIFICULDADE COM AS LEGENDAS?

Caso você não saiba ativar as legendas nos vídeos do youtube, clique aqui para acessar o tutorial.

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Procurar por Tags
Histórico de publicações
Please reload

Please reload

Siga essa Idéia

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Você também vai gostar
Please reload

© 2017 por "Equipe Feedobem". Orgulhosamente criado pela Feedobem

    Gostou do nosso portal? Nos ajude a elaborar artigos e

conteúdos cada vez melhores para vocês. ;-)