O Valor dos Símbolos

September 17, 2019

 

 

O dia 18 de setembro é, oficialmente, o dia do símbolo nacional. Essa comemoração convoca algumas reflexões, do tipo, por que temos símbolos nacionais, quais são esses símbolos, qual o sentido e por que há um sensível desprezo das gerações mais recentes a esse simbolismo? 

A palavra símbolo vem do grego “sum” mais “ballo” que significa colocar junto, associar dois entes. Todo símbolo associa dois planos, o plano do significante e o plano do significado. O primeiro é concreto, físico, ligado à matéria, o segundo é abstrato, metafísico, ligado às ideias. Assim, um símbolo é uma ponte que liga duas ordens de realidade, a ordem concreta e a ordem ideal, ou das ideias.

 

 

 

(Créditos: Wikipédia)

 

No nosso caso, o ideal de Estado e a identidade nacional constituem o aspecto abstrato, metafísico e espiritual representado ou associado à figura física da bandeira, das armas, do selo e do hino. Desta forma, os nossos símbolos funcionam como um elo entre essas duas realidades. Logo, ao olhar para a bandeira, em fração de segundos, o conjunto de cores ali impressas deveriam, em condições antropológicas ideais, disparar um sentimento interior que refletisse a força e a beleza das matas e florestas que cobrem o país, da biodiversidade, da riqueza mineral e da união indissolúvel dos nossos vinte e seis estados, como uma constelação incrustada na esfera celeste brasileira, envolvidos na luta pelo ideal de ordem e de progresso.

 

Os acordes do hino nacional, associados à marcha rítmica e à letra são como pontes para um ideal de luta, de heroísmo, de sentimento nacional. A composição, em um primeiro momento, fala de liberdade, sonhos, conquistas com braço forte, futuro e grandeza. Já em um segundo momento, o hino se transpõe para um plano mais sereno, em que as batalhas dão lugar à ternura e a pátria surge como uma mãe que abraça seu filho-gigante deitado em berço esplêndido ao som das águas do mar e à luz do céu profundo. 

 

 

 

(Créditos: Macaco Geográfico) 

 

Os símbolos eram para provocar em nós esses sentimentos de Beleza, de Justiça, levando-nos a uma ordem interior de reconhecimento e conexão profunda com o nosso lar, com a nossa cultura e com o espírito da nossa História. Eram para nos conectar a um ideal transcendente de Estado, que é próprio da esfera humana. 

 

Assim como um organismo vivo têm o seu esquema próprio de organização, uma sociedade de humanos também tem uma lei natural de organização que lhe é própria, e que quando aplicada, forma o que chamamos de Estado. Nesse sentido, um Estado humano surge a partir da manifestação no plano concreto de um conjunto de leis invisíveis que só existem no plano das ideias.  Daí surge a necessidade dos símbolos, que funcionam como canais ou como pontes entre essas duas ordens de realidade. Quando rompemos com o simbolismo, obstruímos essa comunicação e essa ligação entre esses dois planos e caímos no abismo do anti-humano, da injustiça extrema, dos enormes equívocos, da percepção rasteira, do curto alcance do que é um Estado, pois a nossa conexão com o plano das idéias é que faz com que sejamos humanos, e busquemos alcançar as virtudes mais nobres.  Todas as grandes civilizações da História são balizadas em símbolos. Imagine a vastidão de símbolos que já se descobriu nas investigações arqueológicas do Egito, a quantidade de símbolos da Mesopotâmia, dos acádios, babilônios, assírios, caldeus. Essa é uma lei inexorável, somos movidos a símbolos, porque nossa ordem de sentido não está na matéria, está nas ideias, e a matéria é apenas uma manifestação do que jaz essencialmente no plano das ideias.

 

 A civilização ocidental começou a romper com os símbolos durante o processo de construção da modernidade, sem ter a menor noção do abismo em que estava mergulhando.   Passou a olhar a simbologia antiga com desconfiança e a busca da verdade ficou atrelada aos resultados de experiências em laboratórios. Aos poucos, desenvolveu-se uma ideologia racionalista baseada no dogma de que somente se podia acessar a realidade a partir da razão. Desprezou-se toda forma de acesso à realidade que envolvesse intuição, sentimentos e símbolos. A evolução desse processo descarrilhou na ruptura com o sagrado, na “morte de Deus” e por conseguinte no estreitamento de ideais. 

 

Sobre esse processo, afirma o filósofo Jorge Angel Livraga: 

 

(...) a objetividade cartesiana pretendeu explicar todos os fenômenos com base na evolução da matéria, sem princípio que a justifique e sem nenhum fim essencial. Toda a axiologia e toda a teleologia converteram-se em trastes em desuso na grande arrecadação da História. (...) o antigo foi definido como “primitivismo” e a crítica apresentou os velhos símbolos teológicos como balbuciamentos infantis de uma mentalidade pré-lógica. A antropologia viu nas tribos selvagens atuais fósseis vivos sobre os quais realizou experiências, das que já se pretendia conhecer o resultado: a contradição entre a Fé e a ciência, entre a Religião e o Conhecimento, entre a Mística e a Realidade. ”

 

Isso explica o distanciamento e a frieza da atual geração diante do simbólico. Não por acaso, cospem-se em bandeiras nacionais, rasgam-se e queimam-se esses símbolos em praça pública como sendo algo progressivo, libertário, como forma de protesto. Sem se dar conta de que isso é o efeito de uma ruptura histórica com a filosofia antiga e com as tradições milenares, um esmagamento do próprio indivíduo.

 

 

 

(Créditos: Significados.com.br)

 

Em 1988, o cantor Cazuza cuspiu na bandeira nacional enquanto cantava “ideologia, eu quero uma pra viver”. Essa cena é o retrato exato de uma geração que se perdeu no meio do caminho, não encontra o caminho de volta e procura desesperadamente esse retorno. 

Na aversão aos símbolos há uma sutil desesperança diante da vida.  Uma espécie de suicídio humano, o movimento autodestrutivo do ser.

 

Hoje, podemos olhar para o resultado desse divórcio com o simbólico e podemos ver com os nossos próprios olhos a profundidade do abismo no qual estamos afundando. 

 

Entretanto, já é perceptível o cansaço dessa ideologia de apego ao transitório, ao concreto, e já se vê movimentos humanos no sentido oposto a isso tudo. Há um sensível retorno ao mito, ao simbólico, como um necessário caminho de volta para casa. O futuro da humanidade está escrito na mensagem oculta dos mitos, mas as vendas da modernidade não permitem enxergá-lo.

 

É urgente a ruptura dessas vendas, o destampar dos olhos para a realidade. Esta geração precisa se reaproximar dos símbolos, reaprender a linguagem do sagrado, como meio de chegar ao transcendente. Só assim retomamos a luta pelos altos ideias e poderemos de novo sonhar com um mundo novo e melhor e com um homem novo e melhor.

 

 

 

(Créditos: Sandra de Andrade)

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

DIFICULDADE COM AS LEGENDAS?

Caso você não saiba ativar as legendas nos vídeos do youtube, clique aqui para acessar o tutorial.

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Procurar por Tags
Histórico de publicações
Please reload

Please reload

Siga essa Idéia

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Você também vai gostar
Please reload

© 2017 por "Equipe Feedobem". Orgulhosamente criado pela Feedobem

    Gostou do nosso portal? Nos ajude a elaborar artigos e

conteúdos cada vez melhores para vocês. ;-)